Maturidade…

Maturidade… Esses dias estava pensando em tudo que deixei passar.. A princípio, não sabia por que estava abrindo mão, mas sentia que precisava fazer.
Sentimento de inquietude. Não conseguir continuar ali como estava, mas acima de tudo, necessidade de liberdade.
Dito e feito. Fugi de tudo, fugi de todos… Fui, deixando promessas de um futuro certo, rumo ao incerto.
Vivi. E pra tudo que vivi, tive a resposta de que fiz certo. Precisava ir embora.Dentre todas as maravilhosas formas de viver por si só, fugir, ir embora, uma atitude muitas vezes passa desapercebida, mas é tão importante quanto ir: voltar.
Voltar (se voltar) imprime o significado do real por quê de tudo ter acontecido. Era preciso. Mas uma coisa é certa: voltar faz de todo o antigo novo mais uma vez.Novos olhos para atitudes antigas, novas percepções da vida que era antes.
Antes, havia o sentimento de que era preciso ir, por mais que fosse necessário deixar tudo pra trás. Agora, todo o antes faz um sentido absurdamente maior do que fazia antes. As vontades mudam, os resultados mudam, a percepção muda, o sonho muda.
Vê-se que o que havia antes talvez pudesse fazer muito mais sentido se acontecesse tudo de novo no agora. Mas isso não é possível.

Não é possível pedir pra viver e construir o antes com a visão do agora. Nada acontece novamente, nem o tempo muda de lugar. Você teve que fazer certas escolhas, inclusive a de abandonar, para estar ali de volta com uma mentalidade totalmente nova.

Talvez o antes no agora fosse fazer muito mais sentido. Mas o agora não existiria se o antes não tivesse acontecido antes.
Como lidar? F. C.

12471898_1131615630196727_6404344472635344117_o